Pilates x Contrologia

O método Pilates caracteriza-se por um conjunto de exercícios criado pelo alemão Joseph Humbertus Pilates durante a Primeira Guerra Mundial (1920). Enfatizando o controle do corpo e mente na execução planejada de posturas e movimentos, o Pilates tem como objetivo a melhora da coordenação, estabilização, força e flexibilidade corporal.

Princípios do método: respiração, concentração, centralização, controle, precisão e fluidez.

Baseado nestes seis princípios  o método foi denominado originalmente como Arte do Controle ou Contrologia.

A “contrologia” caracteriza-se pelo controle consciente de todos os movimentos musculares do corpo. Segundo Joseph Pilates, a contrologia preconiza a correta utilização e aplicação dos princípios de força e amplitude de movimento, atuantes em cada região do esqueleto, buscando essencialmente a excelência de movimentos.

Os exercícios que compõem o método (no solo ou envolvendo o uso de equipamentos) envolvem contrações isotônicas (concêntricas e excêntricas) e, sobretudo isométricas com ênfase no que Pilates denominou powerhouse, ou centro de força, popularmente entendido como ‘Core’.

Este centro de força é composto por músculos responsáveis pela estabilização estática e dinâmica do corpo e são recrutados em sinergismo com a mecânica respiratória, a fim de uma maior efetividade da concentração e controle do movimento.

O método preconiza a melhoria das relações musculares através da ativação do controle neuromuscular, coordenação, mobilidade, equilíbrio, ​tônus e força muscular garantindo ganhos em funcionalidade e consequentemente qualidade de vida.

Dessa maneira, o Pilates é indicado para diferentes faixas etárias e grupos de indivíduos.

Sua indicações vão desde a prevenção de lesões (correção postural, melhora da flexibilidade, força, resistência, equilíbrio e propiocepção), a tratamentos de quadros álgicos crônicos e patologias osteomusculares. Além da busca de um melhor condicionamento físico e, consequentemente, melhor qualidade de vida.

 

Fonte: Bianca Rosa Guimarães | Fisioterapeuta

Você pode gostar de...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *