A história e algumas aplicações da Magnetoterapia

Os ímanes utilizam-se desde a antiguidade no tratamento de diversas doenças, sobretudo as que se cruzam com processos inflamatórios tal como a artrite. Existe informação acerca da utilização da Magnetoterapia como entendido pelos chineses, egípcios e gregos. Devido a essas curiosidades nossa equipe separou algo sobre a história e algumas aplicações da magnetoterapia.

A Magnetoterapia não começa a desenvolver-se de forma realmente eficiente até que a partir do século XIX, se começa o estudo do eletromagnetismo de forma mais aprofundada. São personagens como Faraday, Hertz e Gauss entre outros os que propiciam com as suas investigações o desenvolvimento desta potente e eficaz terapia que hoje em dia se utiliza em patologias como: osteoporose, reumatismos, tendinite, fraturas e todo o tipo de processos inflamatórios.

A magnetoterapia teve que esperar até ao século XX para mostrar-se em toda a sua eficácia. O aparecimento dos microprocessadores e da corrida espacial colocaram esta terapia física num lugar privilegiado dentro das múltiplas possibilidades de tratamento e de recuperação das mais diversas patologias.

A magnetoterapia faz parte das terapias físicas usadas na fisioterapia, e encontra-se dentro da eletroterapia. É importante destacar que quando existe um predomínio do efeito elétrico, pretendemos produzir estimulação sensitiva e motora e, portanto, modificações químicas nos tecidos do organismo. Noutras ocasiões, o componente predominante é o magnético.

Quando o efeito magnético se aplica mediante impulsos de uma frequência regulável e dado que no nosso corpo se encontra uma grande quantidade de compostos químicos ionizados. A força magnética atuará sobre estes ions, moléculas e inclusivamente sobre o dipolo da água, reorientando-os e gerando movimento. É precisamente este efeito de deslocamento das cargas eléctricas que vai contribuir para acelerar o metabolismo, justamente nos tecidos sobre os quais aplicamos a magnetoterapia.

Os campos magnéticos atuam sobre o corpo humano conseguindo efeitos muito potentes e diversos:

  • Estímulo trófico do metabolismo do cálcio sobre o tecido ósseo.
  • Efeito relaxante dos campos magnéticos sobre a fibra muscular devido a uma ação de equilíbrio sobre o sistema simpático-parassimpático.
  • Efeito analgésico moderado mas eficaz que origina do efeito direto sobre as terminações nervosas, do efeito anti-inflamatório e do relaxamento que permite elevar o umbral da dor.

Você pode gostar de...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *